terça-feira, 17 de julho de 2018

Suécia. Estudo mostra o crescimento do Salafismo: "depois de passar o dia com os cristãos, os adolescentes muçulmanos se lavam na mesquita"

"Nem todos os salafistas são jihadistas, mas todos os jihadistas são salafistas"
RT. O maior relatório sobre o ramo fundamentalista do Islã mostra que pregadores salafistas na Suécia estão cooperando para levar sua mensagem através das comunidades muçulmanas - e o comportamento cotidiano perturbador agora é comum até mesmo em crianças.

"Nem todos os salafistas são jihadistas, mas todos os jihadistas são salafistas", diz o estudo de 265 páginas sobre este movimento que defende um retorno ao Islã "puro", encomendado pela Agência Sueca de Contingências Civis, um departamento do governo.

Autoridades suecas declararam no ano passado que o número de militantes islâmicos no país havia subido de 200 para 2000 em uma década. Através de 70 entrevistas com policiais, assistentes sociais e representantes da comunidade, o estudo tentou entender como a crença religiosa leva ao terrorismo. O que se descobriu foi uma ideologia bem organizada que conscientemente pressionava para que a minoria muçulmana se divorciasse do ambiente cultural da Suécia, criando uma profunda divisão social da qual terroristas e recrutas jihadistas podem emergir.

"Os salafistas defendem a segregação de gênero, exigem que as mulheres se limitem a restringir a tentação sexual, restrinjam o papel das mulheres na esfera pública e se oponham fortemente à música e a algumas atividades esportivas", escreve o autor Magnus Ranstorp, proeminente pesquisador do extremismo.

Os crentes devem abster-se de fazer amigos não-muçulmanos, os quais, de acordo com um pregador, devem “odiar” por não seguir o Islã e devem encorajar “amar a Alá”. Eles não devem se juntar a nenhuma comunidade ou grupo mais amplo, e devem resistir. adaptando sua aparência, linguagem e maneirismos para se alinharem com os da cultura hospedeira.

Em toda a Suécia, que abriga 800 mil pessoas nascidas fora da Europa, principalmente na Síria e no Iraque, e centenas de milhares de migrantes de segunda e terceira geração, esses ensinamentos criaram raízes.

No município de Boras, as autoridades informam que algumas crianças se recusarão a beber água "cristã" das torneiras e se lavarão na mesquita depois de passar um dia em contato com não-muçulmanos.

Em Vasteras, criminosos adolescentes são conhecidos por justificarem o roubo de lojas com caixas sem véus, gritando “kufir” (não crente) e “prostituta sueca” enquanto invadiam uma loja, enquanto grupos de muçulmanos perseguiam donos de lojas de imigrantes, exigindo saber se eles seguem Alá, e abusando deles de outra forma.

Em Gotemburgo, que forneceu mais recrutas da Suécia para o Estado Islâmico (IS, anteriormente ISIS) do que qualquer outra cidade, os salafistas informaram aos seus seguidores que o voto nas eleições seculares suecas era "haram" - proibido.

O movimento religioso parece ser altamente coordenado. “É interessante que os pregadores salafistas, nos quais o estudo se concentra, pareçam estar mais em cooperação uns com os outros, em vez de rivais. Em vez disso, esses pregadores parecem dividir sua da'wa (missão) em diferentes áreas geográficas”, escreve Ranstorp.

Mas a influência islâmica se espalha além da mesquita.

Os suecos não têm ideia de quanta influência o islamismo político tem no subúrbio. As leis suecas não são aplicadas lá, ” um sujeito diz ao entrevistador, referindo-se particularmente ao uso da religião para formar conexões comerciais, e à subnotificação de certos crimes, tais como abuso doméstico.

Subúrbios suecos, "enriquecidos" pelas 'zonas proibida'

O estudo conclui exortando a Suécia, que reconheceu parcialmente o crescimento de sociedades paralelas, a ser mais aberta a compreender e expor os vínculos explícitos entre o islamismo radical e o terrorismo.

Quando o então Coordenador Nacional Contra o Extremismo Violento disse que a questão de por que tantas pessoas escolheram viajar da Suécia para o EI foi 'uma pergunta de um milhão de dólares', é uma ilustração da incapacidade geral das autoridades suecas (com exceção de polícia e polícia de segurança) para ver que este problema não emergiu de um vácuo”, diz o estudo.


Leia mais sobre al Wala wal Bara no artigo al Wala wal Bara: ame quem e o que Alá ama; odeie quem e o que Alá odeia.

E assista também a este vídeo Islão: QUEM, O QUE, COMO. Vídeo para crianças (e adultos).

Este problema não se resume a Suécia, mas é comum em todos os países que permitem o crescimento do islamismo. Veja, por exemplo, o vídeo abaixo sobre o que é ensinado em uma importante "mesquita moderada" na Inglaterra. Note que os "estudiosos do islamismo" tentam dissimular, minimizando a doutrina islâmica, alegando que aquilo que o vídeo ensina não é o "verdadeiro islão." (Isso se chama taquia, a mentira sagrada)


Fontes
‘After day with Christians, Muslim teens wash in mosque’: Study charts rise of Salafism in Sweden, Russia Today, Published time: 16 Jul, 2018 15:01

Mellan salafism och  salafistisk jihadism, Påverkan mot och utmaningar för det svenska samhället (Entre salafismo e jihadismo saláfico, Impacto e desafios para a sociedade sueca), Centrum för Asymmetriska Hot-och Terrorismstudier (CATS), Försvarshögskolan, Jul, 2018


Nenhum comentário: