segunda-feira, 6 de agosto de 2018

O que os santos falavam sobre o Islão

Veja a opinião de diversos santos cristãos sobre o islão, em um artigo de Andrew Bieszad, escrito em seu blog One Peter Five, em 30 de abril de 2015.

Para os estudiosos islâmicos, há uma afirmação na exortação apostólica do Papa Francisco,  Evangelii Gaudium, que é particularmente preocupante:
Diante de episódios desconcertantes de fundamentalismo violento, nosso respeito pelos verdadeiros seguidores do Islã deveria nos levar a evitar generalizações odiosas, pois o Islã autêntico e a leitura adequada do Alcorão se opõem a toda forma de violência. (p. 253)
À medida que a situação no Oriente Médio aumenta, e a violência do Estado Islâmico do Iraque e do al-Sham (ISIS) transborda rios de sangue cristão inocente, essa afirmação do papa parece incongruente com a realidade.

Os papas são certamente livres para terem opiniões pessoais. As opiniões de um papa, no entanto, quando compartilhadas com o público, têm mais peso por causa da autoridade de seu cargo do que as opiniões de outro prelado menor. Suas palavras - particularmente quando expressas não através de uma entrevista ou sermão, mas de um documento oficial - sinalizam, pelo menos implicitamente, que sua opinião é de fato a crença da Igreja. Isso tem um impacto real na compreensão de qualquer questão que esteja sendo abordada, tanto para católicos quanto para não-católicos. Particularmente em um contexto moderno, onde as notícias globais estão instantaneamente disponíveis, as opiniões papais se espalham longe e rapidamente. Uma vez que uma ideia se espalhe sob o slogan "o papa disse", torna-se difícil voltar atrás. Existe até um equívoco não totalmente incomum de que a opinião papal, quando toca qualquer assunto relacionado à fé, sob a um nível de infabilidade.

Parece que nunca houve tanta divisão dentro da Igreja quanto à doutrina básica. Os católicos de hoje discutem sobre os ensinamentos há muito estabelecidos que, há apenas cinquenta anos, foram aceitos sem dissidência. Essa divisão parece permear a Igreja e pode ser vista não apenas entre os leigos, mas também entre os mais altos prelados do catolicismo. Esta divisão não se refere apenas ao nosso próprio entendimento interno de ensino sobre artigos de fé e crenças sacramentais, mas a maneira pela qual a Igreja Católica deve lidar com outras religiões. É particularmente preocupante que isso ocorra em um momento em que o Islã está subindo no poder, tendo recentemente exterminado a Fé Católica do Iraque, com um número cada vez  maior de muçulmanos respondendo ao chamado do Islã para a jihad contra os cristãos.

Ao tomar nota das mais recentes lutas católicas sobre como ver a fé muçulmana, encontrei-me revisitando uma questão que comecei a ponderar durante meus estudos de pós-graduação sobre essa religião em crescimento: o que os santos têm a dizer sobre o Islã?

A seguir, uma breve lista de citações de santos católicos sobre o Islã e seu fundador, Maomé. Esta lista não é de modo algum exaustiva, mas é ilustrativa de como os católicos - particularmente os filhos e filhas favorecidos da Igreja que hoje conhecemos no céu - viam a fé muçulmana nas gerações anteriores:

"Quem não abraçar a fé cristã católica está perdido, como seu falso profeta Maomé."
-St. Peter Mavimenus ( século VIII ), mártir de Gaza. Resposta relatada no Martyriologum Romanum quando ele foi convidado a se converter ao islamismo por um grupo de muçulmanos.

“Há também a superstição dos ismaelitas que até hoje prevalece e mantém as pessoas em erro, sendo um precursor do Anticristo. Daquele tempo até o presente, um falso profeta chamado Maomé apareceu em seu meio. Este homem, depois de ter encontrado o Antigo e o Novo Testamento, e da mesma forma, ao conversar com um monge ariano, inventou sua própria heresia. Então, tendo se insinuado nas boas graças do povo por uma demonstração de aparente piedade, ele contou que certo livro lhe fora enviado do céu. Ele colocou algumas composições ridículas neste livro e as deu como objeto de veneração”.
-St. John Damascene (m. 749), monge católico árabe árabe e erudito. Citado de seu livro On Heresies sob a seção Sobre a Heresia dos Ismaelitas (em Os Padres da Igreja . Vol. 37. Traduzido pela Universidade Católica da América. CUA Press. 1958. Páginas 153-160.)

“Nós professamos a Cristo para ser verdadeiramente Deus e seu profeta para ser um precursor do Anticristo e outras doutrinas profanas.”
-Sts. Habenitus, Jeremiah, Peter, Sabinian, Walabonsus e Wistremundus (falecido em 851), mártires de Córdoba, Espanha. Relatado no Memoriale Sanctorum em resposta aos ministros do califa omíada espanhol 'Abd Ar-Rahman II que se convertem ao islamismo sob pena de morte.

“Qualquer culto que nega a divindade de Cristo, não professa a existência da Santíssima Trindade, refuta o batismo, difama os cristãos e desdenha o sacerdócio, consideramos condenado”.
-Sts. Aurélio, Félix, Jorge, Liliosa e Natália (m. 852), mártires de Córdoba, Espanha. Relatado no Memoriale Sanctorum em resposta aos ministros do califa omíada espanhol 'Abd Ar-Rahman II que se convertem ao islamismo sob pena de morte.

“Por outro lado, aqueles que fundaram seitas comprometidas com doutrinas errôneas procederam de uma maneira que é oposta a isso, o ponto é claro no caso de Maomé. Ele seduziu o povo com promessas de prazer carnal às quais a concupiscência da carne nos instiga. Seu ensinamento também continha preceitos que estavam em conformidade com suas promessas e dava rédea livre ao prazer carnal. Em tudo isso, como não é inesperado, ele foi obedecido por homens carnais. Quanto às provas da verdade de sua doutrina, ele apresentou apenas coisas que poderiam ser compreendidas pela capacidade natural de qualquer pessoa com uma sabedoria muito modesta. De fato, as verdades que ele ensinou misturaram-se com muitas fábulas e doutrinas da maior falsidade. Ele não produziu nenhum sinal produzido de maneira sobrenatural, o que por si só prova a inspiração divina; pois uma ação visível que pode ser apenas divina revela um professor de verdade invisivelmente inspirado. Ao contrário, Maomé disse que foi enviado no poder de suas armas - sinais que não faltam nem mesmo a ladrões e tiranos.”
-St. Tomás de Aquino (m. 1274), teólogo e doutor da Igreja. Citado de seu De Rationibus Fidei Contra Saracenos, Graecos, Armenos e traduzido do Padre. Damian Fehlner Aquino sobre os motivos da fé: contra os muçulmanos, gregos e armênios (Franciscans of the Imaculate. 2002.).

Como vimos, Maomé não tinha milagres sobrenaturais nem motivos naturais da razão para persuadir os membros de sua seita. Como faltava em tudo, ele adotou meios bestiais e bárbaros, que é a força das armas. Assim, ele introduziu e promulgou sua mensagem com roubos, assassinatos e derramamento de sangue, destruindo aqueles que não queriam recebê-la, e com os mesmos meios que seus ministros conservam hoje, até que Deus aplaca sua ira e destrói essa pestilência da terra.
[…]
(Maomé) também pode ser figurado para o dragão no mesmo Apocalipse, que diz que o dragão varreu um terço das estrelas e lançou um terço para a Terra. Embora essa linha seja mais bem compreendida com relação ao Anticristo, Maomé foi seu precursor - o profeta de Satanás, pai dos filhos da soberba.
[…]
Mesmo que todas as coisas contidas em sua lei fossem fábulas na filosofia e erros na teologia, mesmo para aqueles que não possuem a luz da razão, os próprios modos (o Islã) ensinados são de uma escola de bestialidades perversas. (Maomé) não provou sua nova seita com qualquer motivo, não tendo nem milagres sobrenaturais nem razões naturais, mas apenas a força das armas, violência, ficção, mentiras e licença carnal. Continua sendo um culto ímpio, blasfemo e vicioso, uma inovação do diabo e o caminho direto para o fogo do inferno. Nem sequer merece o nome de ser chamado de religião ”.
-St. Juan de Ribera (d.1611), arcebispo de Valência, missionário para os muçulmanos espanhóis, e organizador das expulsões muçulmanas de 1609 da Espanha. Citado em vários locais do seu Catecismo para a Instrução dos Nuevos Convertidos de los Moros de 1599 (minha tradução).

“O paraíso de Mahometan, no entanto, só é adequado para animais; por prazer sensual imundo é tudo que o crente tem que esperar lá. ”
- St. Alfonsus Liguori (d. 1787). Citado de seu livro, A história das heresias e sua refutação.

O que é óbvio dessas afirmações é que elas representam uma visão muito diferente do Islã do que ouvimos do Vaticano nos últimos anos. A recente dormência do Islã levou muitos nesta geração a acreditar exatamente como o Papa Francisco: que são apenas os extremistas muçulmanos que representam uma ameaça, e que a religião em si é mais ou menos louvável. As experiências da maioria dos santos ao longo da história da Igreja, no entanto, ensinaram-lhes o oposto - ou seja, que o Islã e suas práticas são antitéticas à fé católica e àqueles que buscam vivê-la.

Hilaire Belloc, o grande historiador e poeta católico do século XX, advertiu em 1929 que o Islã retornaria ao cenário mundial:

Nós quase certamente teremos que contar com o Islã no futuro próximo. Talvez, se perdermos a nossa fé, ela suba. Depois que essa subjugação da cultura islâmica pelos cristãos nominais já havia sido alcançada, os conquistadores políticos daquela cultura começaram a notar duas características inquietantes sobre ela. A primeira foi que sua fundação espiritual se mostrou inamovível; o segundo que sua área de ocupação não recuou, mas pelo contrário se expandiu lentamente.
[…]
Na minha juventude, o poder decadente do islã (pois ainda estava decadente) no Oriente Próximo era uma forte ameaça à paz da Europa. Aqueles idosos de quem falo tinham avós em cujos tempos o islã ainda era capaz de ameaçar o Ocidente. Os turcos sitiaram Viena e quase a adotaram, menos de um século antes da Declaração de Independência dos EUA. O Islã era então nosso superior, especialmente na arte militar. Não há razão para que sua recente inferioridade na construção mecânica, seja militar ou civil, deva continuar indefinidamente. Mesmo uma ligeira adesão do poder material tornaria difícil o controle adicional do Islã por uma cultura estrangeira. Um pouco mais e cessará aquilo que nosso tempo deu como certo, a dominação física do Islã pela cristandade desintegrada que conhecemos.

Como católicos, precisamos entender essa situação muito melhor do que atualmente. Quando se trata das diferenças entre o que a Igreja e seus santos  costumavam dizer sobre o Islã e o que está sendo dito agora, precisamos enquadrar o círculo. Com a violência islâmica varrendo o Oriente Médio e o crescimento da população muçulmana em muitas nações anteriormente cristãs, ser capaz de ver a realidade que enfrentamos com clareza e veracidade é fundamental para nossa capacidade de evangelizar os muçulmanos.

Como os cristãos no Iraque e na Síria estão aprendendo por sua própria conta e risco, também pode ser a única maneira de aprendermos a sobreviver a eles.

Publicado originalmente em 12 de agosto de 2014.

 https://onepeterfive.com/what-did-the-saints-say-about-islam/

Martírio de Santa Leocrícia e Santa Eulália de Córdoba, por Joseph Segrelles




Nenhum comentário: