domingo, 25 de novembro de 2018

Historiador francês: sociedade multicultural conduz a uma sociedade multi-conflito; o islamismo declarou guerra contra nós

O premiado historiador francês Georges Bensoussan adverte que sociedades multiculturais levarão a sociedades multi-conflito e que o Islã é incompatível com os ideais iluministas da civilização ocidental.
A história mostra  que sempre existe uma cultura dominante. Na ausência de uma, os grupos se degladiam permanentemente até que uma se torne preponderante. A história mostra que quando o islamismo se torna ascendente, as demais culturas desaparecem. O islamismo é monocultural.  
Em entrevista ao Causeur.frGeorges Bensoussan, autor de "Territoires perdus de la République" (Territórios Perdidos da República), adverte que a identidade nacional da França está em ruínas, exacerbada pela culpa por seu passado colonial, e que isso levará à violência.

“Uma sociedade multicultural (não confundir com uma sociedade multiétnica)” se tornará “cada vez mais sinônimo de sociedade com múltiplos conflitos” segundo Bensoussan, que diz que a França “descarta sua própria história e se mortifica infinitamente”.

Ele acrescentou que existem mais de 500 áreas "problemáticas" onde o Islã salafista está assumindo o controle e se tornando cada vez mais imune à aplicação da lei.

Bensoussan diz que "uma guerra foi declarada a nós" pelos islamistas e a falha em entender isso deixará os países europeus completamente "indefesos".

Ele observa que o Islã é "fundamentalmente incompatível" com "o ideal do Iluminismo no qual nosso modo de vida foi construído" e que isso garante "um amanhã difícil".

No início deste mês, o ex-ministro do Interior da França, Gérard Collomb, advertiu que a falta de integração das novas ondas de migrantes [muçulmanos] levará a um colapso importante da sociedade dentro de cinco anos.

"As comunidades na França estão entrando em conflito umas com as outras cada vez mais e este conflito está se tornando cada vez mais violento", disse Collomb, concordando com o entrevistador que alguma forma de colapso social como partição ou secessão de partes do país era uma grande preocupação. Ele acrescentou:
“Hoje vivemos lado a lado. Temo que amanhã seja cara a cara”, acrescentou.
Segundo as estatísticas, 550 novos migrantes chegam todos os dias em Paris, onde os acampamentos, lixo, pobreza e degradação são agora comuns. Em apenas uma área, St. Denis, existem mais de 400.000 imigrantes ilegais. 


Georges Bensoussan


A entrevista completa segue abaixo. (Aviso, tradução através de programa de computador - perdão)


"A sociedade multicultural é mais e mais sinônimo de uma sociedade multiconflito"

Entrevista com Georges Bensoussan, autor dos "Territórios Perdidos da República"

por Anne-Sophie Chazaud - 20 de novembro de 2018 


Dezesseis anos antes dos jornalistas do mundo, o historiador Georges Bensoussan denunciou a islamização de certos distritos da nação nos Territórios Perdidos da República. Em uma entrevista com Causeur , ele confirma suas observações e rejeita os julgamentos de "ideologia" que são feitos por esses meios, que mesmo assim chegam à mesma conclusão ...

Causer . Em seu discurso de recepção Prêmio Nacional de secularismo , você fala com emoção e gratidão a memória de seus dois professores da escola primária do boulevard Belleville onde você veio nos últimos anos da guerra na Argélia. Você designa esta escola como a "matriz moral" onde "secularismo em ação" significava integração no crisol da Grande Nação de 1794 e da República . Qual é o estado dessa "matriz moral"? ? O secularismo e a integração não se tornaram noções quase suspeitas? Ainda é permissível vincular a noção de República e de nação quando ela é constantemente acusada de todos os males pelo presidente que, no entanto, a representa?

Georges Bensoussan. Era uma matriz moral porque estávamos fazendo sociedade. A dominação do imperativo econômico ainda não mercantilizou totalmente a vida, em parte congelou as relações humanas nas "águas frias do cálculo egoísta" (Marx), nem transformou qualquer atividade em espetáculo. Estávamos empresa também porque o choque migratório, dobrou nos últimos dois a três anos de integração lento se não for quebrado, não tinha desconstruído a empresa francesa para mergulhar em um confronto do comunitarismo paradoxalmente marcado pelo descrédito trouxe à noção de identidade.

Fizemos sociedade porque o bem comum mantinha um significado, e a esquerda, apesar de suas falhas e divisões, ainda se encarregava dos interesses das classes populares. Estávamos, então, a mil quilômetros de distância dessa esquerda socialista que floresceu na sequência da eleição de François Mitterrand em 1981, e ainda mais após a virada de 1983. Ainda não era o tempo do divórcio consumado com o aulas tão bem analisado por esta noção em demasia Jacques Julliard, o "povo", fazendo livres-pensadores sneer mas que no entanto continua a ser uma realidade tangível, com a condição de se mover, de viajar, de mergulhar no "país profundo ".

Se o secularismo e a integração são vistos hoje como sugadores do colonialismo, isso significa que nunca saímos do colonialismo. Esse padrão de vitimização, cultivado entre os nativos da República e sua musa Houria Bouteldja, é mantido por uma pequena parte da esquerda intelectual que fez seu negócio de mídia. Essa visão não é apenas historicamente errônea, induz uma cultura de desculpa que, em seu corpo defensor, reproduz um esquema colonial segundo o qual o outro não é visto como meu igual, mas como um ser diminuído pelo sofrimento. que anteriormente me infligiu pelos meus antepassados. Hoje, o secularismo e a integração são desafiados em nome do indigenismo: sabemos há muito tempo que a antífona do "direito à diferença" levaria um dia à diferença de direitos.

A perversão ideológica da parte do anti-racismo, portanto, dá à luz hoje de uma regressão tribal que bloqueia em uma identidade fechada e atribui residência, ad infinitum, porque de nascimento: este é os comícios retórica por exemplo, racializado, proibido para brancos. Essa tendência ideológica, que rompe com a noção de universal, encontra a primazia da raça no final do século XIX. É nos antípodas do mundo da iluminação.

Dezesseis anos após o lançamento dos Territórios Perdidos da República, qual é a posteridade e a atualidade desse trabalho fundamental de descrever uma realidade que algumas pessoas não queriam enfrentar? A situação se deteriorou ainda mais ou as lições foram aprendidas com esse trabalho?

Se dezesseis anos depois, eu tivesse que refazer agora os Territórios Perdidos da República, eu os teria intitulado Territórios Perdidos da nação.. Porque a nação está enraizada, mas sem fechamento na Barres, é a identidade aberta da Revolução Francesa que fala em francês e fala aos homens, e isso não separa os direitos humanos dos direitos. do cidadão, porque só existe humanidade quando os deveres estão ligados aos direitos. A República, muitas vezes esquecemos, é apenas uma forma de regime, mesmo que seja verdade, que na França, é levado pelo sopro de 1792, 1848, 1870, sem esquecer a recuperação. do verão de 1944. Que pôs, pôs debaixo do alqueire a palavra "nação" por medo da identidade misturada com nacionalismo, exclusão e guerra, ajudou a refrear a integração de milhões de estrangeiros chegaram por cinquenta anos. Como se integrar em uma nação que descarta sua própria história e se mortifica infinitamente? A noção de identidade nacional foi caricaturada em uma máquina para excluir, ao passo que é um longo desenvolvimento conflituoso iniciado pelo menos desde a segunda metade do século XVI com guerras chamadas "religião". Nesse vazio, escorregou um vetor identitário de violência em ruínas, uma sociedade multicultural (não confundir com uma sociedade multiétnica) cada vez mais sinônimo de sociedade em múltiplos conflitos.

Dezesseis anos depois dos territórios perdidos da República , a posteridade deste livro é principalmente uma fórmula usada para a sede. O que descrevemos então, depois de outros (penso particularmente em Christian Jelen), foram apenas os primeiros sintomas de um apodrecimento por vir. E quem aconteceu?

Se a notícia nos provou bem além do que temíamos, a verdadeira questão é sobre a responsabilidade daqueles que se recusaram a ver o que foram mostrados, que nos insultaram, os chamaram de "ideólogos, "Mentes simplistas", desde que a inteligência, todos sabem desde o tempo da dominação cultural do Partido Comunista Francês no início dos anos cinquenta, está do seu lado.

A situação deteriorou-se? Há hoje na França, mais de 500 bairros "difíceis", nomeados pela antífrasis "cidades sensíveis", devastados pelo tráfego de todos os tipos e marcados pela progressão do salafismo. Territórios são formados fora do país, relutantes à lei republicana, onde a autoridade do Estado é por vezes atraída. Quem pode dizer, por exemplo, sem piscar, que a lei de 2010 sobre a proibição do uso do véu completo é plenamente respeitada?

As recentes investigações de jornalistas que, como Davet e Lhomme du Monde, descobrem em 2018 o que você mencionou em 2002, não dão, um pouco tarde, certo?

Você me cita o trabalho desses dois jornalistas do mundo sobre a islamização de Seine-Saint-Denis e evoca a idéia de que suas obras nos dão razão a posteriori . Você nunca obterá esse tipo de reconhecimento das pessoas que, como disseram aos microfones, consideram que estávamos na  "ideologia" enquanto faziam um "trabalho científico". ". Não há nada para responder a esta má fé, se não lembrar de alguns fatos: em 2002, o Le Mondenós nos envolvemos em um silêncio denso. Em 2015 e mais tarde, não conseguindo mais ficar calados, nos viram multiplicar o "limite de palavras" e flertar com as "idéias nauseantes" limpas, todo mundo sabe, as "horas escuras ...", etc. Você acredita que essas pessoas capazes de humildade reconhecer que os outros, antes deles, tinham percebido as rachaduras desta sociedade, enquanto que como jornalistas (o que não éramos) eles deveriam ter sido o primeiro a vê-los e dizê-los? É sua má conduta profissional que eles não estão prontos para nos perdoar.

Por outro lado, a estigmatização sob o rótulo de "ideologia" merece mais explicações. Digamos que, na verdade, esses dois jornalistas: "A ideologia é estranha para nós", e esta é precisamente uma postura eminentemente ideológica em que ele reflete a legitimidade do poder no lugar, o que não pode concordar com ser qualificado como ideológico, sob pena de questionar o magistério que ele exerce.

Para muitas pessoas, ainda existe a idéia de que há apenas uma palavra legítima, que emana dessa encarnação do poder estabelecido, que é o jornal chamado de "referência". Pois o que está em jogo por trás da acusação de "ideologia", em oposição ao "rigor científico", é uma disputa de legitimidade. Isso quer dizer uma luta por lugares . Qualificar um livro de uma maneira geral, sem um argumento preciso, e relativo a fatos específicos, não é uma avaliação objetiva, mas trivial, eu ia dizer trivialmente, um processo retórico destinado a deslegitimar in abstracto, e portanto, de fato, silenciar, tal ou qual voz considerada perturbadora.

Por outro lado, e neste caso, a oposição artificial entre "ideologia" e "trabalho científico" tem a vantagem de mascarar algumas das fraquezas inerentes ao trabalho jornalístico, que permanece, sejam quais forem suas qualidades, muitas vezes grande, a expressão de um olhar de fora para as testemunhas imersas na vida que pretendem descrever. Esta é a força dos testemunhos dos professores que eu havia reunido nos territórios perdidos da República , professores que às vezes trabalham há mais de dez anos no coração desses chamados bairros "sensíveis". Essa foi uma grande diferença entre os jornalistas, por mais rigorosos que fossem, que estavam passando apenas por vários meses.

Qual a sua opinião sobre a ação atual do executivo sobre a questão do secularismo? O Ministro da Justiça anunciou recentemente uma possível flexibilização da lei de 1905 para facilitar o estabelecimento de um islamismo da França, enquanto o tão aguardado discurso de Emmanuel Macron sobre o secularismo ainda não chegou. O que inspira essa tendência? 

Tocar a lei de 1905 é entrar no caminho da acomodação e renúncia que, posto de ponta a ponta, abrirá caminho para a servidão coletiva. Se não conseguimos entender que uma guerra nos foi declarada, que ela se opõe frontalmente a duas visões do mundo fundamentalmente incompatíveis, e que o Islã, disse fundamentalista, não tem nada a ver com o ideal da Iluminação em que nosso modo de vida é construído, estamos caminhando para um amanhã difícil. E isso é um eufemismo ... No entanto, devemos entender essa distinção entre o Islã como uma realidade social, ou seja, a multiplicidade de práticas da fé muçulmana, para muitos pacificados, e o Islã como um corpo de doutrina teológica e especialmente político e legal, que não tem nada a ver com o que é chamado de Iluminismo.

Você citou as palavras terrivelmente lúcidas de Martin Luther-King: "No final, não nos lembraremos das palavras de nossos inimigos, mas dos silêncios de nossos amigos", como você sai do livro de 30 meses de idade. especialistas em jihad judicial. Você pode nos contar mais sobre esses amigos, cujo silêncio e complacência que você sente terão sido prejudiciais e culpados?

Quando o inimigo declara guerra contra nós, não precisamos reclamar dos golpes que ele está nos levando. Por outro lado, quando o acampamento considerado amigável mantém o silêncio, ou até mesmo une seus golpes aos de nossos adversários, esta é a pior situação que pode ser concebida. Penso naquela parte da esquerda que enganou o anti-racismo em um instrumento de "politicamente correto", um conceito não-trivial, uma máquina de guerra na verdade que acaba matando pela raiz qualquer vida intelectual transformada em um tribunal permanente onde na caixa do acusado empilhavam os autores de inúmeros "patins" ...

Vamos à aberração para ver o Licra sentado em janeiro de 2017, contra mim, ao lado dos islamistas. Essa foi, nós sabemos, a decisão de um quádruplo de personalidades oscilando entre o ódio e a estupidez. Uma decisão que dividiu profundamente essa organização. O silêncio de amigos, foi bastante a miríade de pequenos atos de covardia para temer por seu lugar, por sua posição, com medo de se afastar da ortodoxia e conformismo que fornece a você a pensar, com medo de desagradar e às vezes em o contexto profissional do Memorial do qual fui expulso, sufocado pelo medo de me exprimir em um lugar que deveria ter sido um modelo de democracia e liberdade. Las ...

Temo, além disso, que, impulsionado por tais líderes, de mente estreita e quilômetros de distância das almas dos pais fundadores, a memória da catástrofe judaica não se transforma em um moralismo plano. Tem um projeto político e educativo limitado ao número de visitantes, alunos e professores em formação tendo ultrapassado o limiar da instituição. Receio que esta gestão contábil encoraje uma reflexão dos mais pobres, um caldo misturando "dever de memória", promovendo a "tolerância" para acabar com o elogio da "diversidade" e da "convivência". Um modismo moralista pouco capaz de detectar no solo cultural de nosso tempo e em nossas "sociedades pós-nazistas", nas palavras de Pierre Legendre, as sementes das políticas assassinas em massa de amanhã. Ao perder de vista essa questão, mas importante, política: Como uma sociedade avançada concebeu Treblinka? Porque, através do destino singular do povo judeu, resta a questão da substância.

Em seu trabalho sobre o Holocausto em particular, você enfatiza a necessidade de não banalizar, banalizar esses episódios trágicos na história, explorando-os, multiplicando as cerimônias memoriais e invocações moralizantes. Deste ponto de vista, o que você pensa sobre o recurso agora feito à comemoração pelo poder político e as muitas reviravoltas e interpretações da história que os governos têm aceitado nos últimos anos, e ainda mais nos últimos meses? Como tal, o que inspira, por exemplo, o projeto Museu Memorial das Vítimas do Terrorismo, enquanto o Ministério Público não hesita em perseguir historiadores que, como você, tentam fazer seu trabalho livremente?

Como você corretamente salienta, o projeto "Memorial às Vítimas do Terrorismo" está ocorrendo concomitantemente com a acusação de vários intelectuais acusados ​​simplesmente de dizer o que vêem. Isso faz parte da dicotomia de uma sociedade que multiplica invocações moralizantes e imprecações, condenações e leilões, abstendo-se de nomear a fonte do mal.

Para projetar um memorial das vítimas do terrorismo quando a guerra que está sendo travada não é completa, é reconhecer, além de nós mesmos, nossa incapacidade de agir. A pessoa se refugia na memória quando se desiste (ou não se pode fazer) com a ação. Lembrando que a comparação não é assimilada, como esquecer que o projeto do Yad Vashem remonta a 1942, quando a maioria das vítimas ainda estava viva? Era necessário pensar em tragédia no passado porque os jovens sionistas do Lar Nacional Judaico não tinham controle sobre o presente.

Aqui, a situação é diferente, mas quando alguém se recusa a nomear um Islã que ainda não realizou uma reforma de substância (será capaz disso?), E que a carnificina sempre irá responder: "Você não terá meu ódio", é uma avenida aberta para derrotar.

Por isso, parece-me que evocar um memorial das vítimas do terrorismo sem identificar a fonte dessa violência permanecerá como a manifestação de nosso desamparo para enfrentar a guerra que nos é feita. Há vários anos citei, a esse respeito, essas poucas palavras de um sermão proferido por Bossuet na Páscoa de 1662: "Deus ri de homens que deploram os efeitos dos males cujas causas acalentam. " Também é necessário notar que não é mesmo aqui buscar" as causas", mas apenas manter um silêncio tímido diante do perigo.


7 comentários:

Anônimo disse...

"Deus ri de homens que deploram os efeitos dos males cujas causas acalentam." Também é necessário notar que não é mesmo aqui buscar" as causas", mas apenas manter um silêncio tímido diante do perigo." Perfeito. É exatamente o que acontece no mundo do "politicamente correto" de hoje. Condenam e condenam e condenam, e lamentam sempre, cantando 'imagine' de John Lennon. O silêncio ensurdecedor do mundo diante da causa maior levará o mundo ao seu matadouro como boas ovelhas que sao diante do lobo que as quer devorar.

Unknown disse...

Ei José você poderia falar sobre aquele filme antigo sobre o Maomé seria legal se você comentase até

Unknown disse...

MACRON VAI CAIR!

Carlos Pereira da Cunha disse...

É, para mim, impossível acreditar que sou um dos escolhidos a quem foi dado ver o que se mete pelos olhos dentro. Acredito antes que as gentes não estão a fim de se envolverem em mais uma luta que, não sabem mas têm a esperança, não seja tão indispensável quanto isso.
Já o mesmo não digo àcerca dos "nossos" políticos, eleitos para defenderem os interesses dos seus eleitores e que, em vez disso e por razões de poder, se vendem a ideologias cuja origem muito bem conhecem, que virão a substituir as democracias que os elegeram por teocracias. Teocracias de mão férrea, com a sharia ao serviço da sua consolidação, o que significa o quase total desaparecimento da civilização ocidental e do seu humanismo, e um retrocesso para uma idade média de cariz sanguinário. Não acreditam? Procurem as notícias disso que os media ocultam e já começarão a fazer uma pequena ideia.

Carlos Pereira da Cunha disse...

"O seu comentário estará visível depois de ser aprovado"
Isto é o "próprio" de uma sociedade democrática. O comentário que fiz à notícia deverá ser aprovado para ser publicado. Porque não utilizar o adjectivo inconfundível "censurado"?

José Atento disse...

Carlos, eu tenho que moderar. Eu recebo muitos palavrões e ameaças da religião da paz e não quero sujar os comentários. Abraços.

Carlos Pereira da Cunha disse...

Não tinha pensado nisso. Acho que tem razão. Não devemos permitir que arrastem para o lixo as nossas iniciativas. Cumprimentos.