quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Vaticano se recusa a oferecer asilo para Asia Bibi

O nível de traição do atual papa é algo irreal. Ele vai contra a postura histórica da Igreja Católica contra o imperialismo islamico. O Papa Francisco é tão pró-islâmico, que ele chegou a ser chamado de "defensor do Islã." Agora, o Vaticano se recusa a oferecer asilo a Asia Bibi, uma católica, que passou 8 anos na prisão por se recusar a se converter ao Islã, e está escondida para não ser morta após ter sido liberada pela corte suprema do Paquistão. 
O Vaticano sob o Papa Francisco se tornou em uma organização engajada na promoção do globalismo. No nosso contexto, vale ressaltar que o Vaticano promove a imigração em massa de muçulmanos para a Europa, criticando os países que se opõe a ela, até mesmo a católica Polônia e, agora, a Itália. 
Ao mesmo tempo, ele é praticamente ausente em denunciar a perseguição que os cristãos sofrem ao redor do mundo, comprovadamente a maior da história! Por exemplo, no seu discurso nas Nações Unidas ele se referiu a perseguição religiosa em geral e sem citar os cristãos. 
PS. Por favor, não use esta postura errada do atual papa (Papa Francisco) para demonizar a Igreja Católica ou os católicos. A postura deste papa para com o Islã é contrária à história da Igreja, mesmo considerando a postura mais conciliatória adotada após o Concílio Vaticano II a partir da década de 1960. 

por David Nussman  • ChurchMilitant.com • 17 de dezembro de 2018
Cardeal Pietro Parolin: "É uma questão interna do Paquistão"
CIDADE DO VATICANO ( ChurchMilitant.com ) - O Vaticano não oferece asilo a uma mulher católica perseguida no Paquistão.

Depois de anos de luta nos tribunais, Aasiya Noreen "Asia" Bibi - mãe católica de cinco filhos - foi absolvida das acusações de blasfêmia na Suprema Corte do Paquistão em 31 de outubro. Fundamentalistas islâmicos em todo o Paquistão imediatamente começaram a protestar contra a absolvição. Muitos dos manifestantes exigiram a morte de Bibi por sua suposta blasfêmia contra o profeta Maomé.

Desde sua absolvição, Bibi e sua família temem por suas vidas. Muitos países, como Itália e Canadá, consideraram oferecer asilo a Bibi e seus familiares. Esforços para ajudar a família católica perseguida  também foram propostos  nos Estados Unidos e no Reino Unido (este último recusou).

Mas Cardeal Pietro Parolin, o Secretário de Estado do Vaticano, disse que o Vaticano não está trabalhando para oferecer asilo à família. Ele teria explicado em novembro que o Vaticano não está se engajando em atividades diplomáticas para tentar salvar Bibi, acrescentando: "É uma questão interna do Paquistão, espero que possa ser resolvida da melhor maneira".

Alguns  estão criticando as declarações do Cardeal Parolin sobre Asia Bibi tendo em vista o seu apoio à imigração para a Europa. O cardeal Parolin falou longamente sobre as questões da migração em uma conferência em 10 de dezembro no Marrocos [onde foi assinado o Pacto Migratório da ONU], argumentando em parte que "é essencial adotar uma abordagem inclusiva no atendimento das necessidades dos migrantes".

Em 2009, Bibi estava recebendo água de um poço quando uma mulher muçulmana declarou que tanto a água quanto os vasos usados ​​para obtê-la eram agora "haram", um termo islâmico que significa "proibido" ou "impuro".

A mulher gritou para outras mulheres muçulmanas que trabalhavam nos campos. As mulheres se reuniram e discutiram ferozmente com Bibi. Elas continuaram a pressioná-la a se converter ao islamismo. A mulher cristã selou seu destino quando atirou de volta: "O que seu profeta Maomé fez para salvar a humanidade?"

As mulheres muçulmanas ficaram furiosas. Bibi fugiu em meio a gritos e cuspidas. Uma multidão muçulmana a assediou violentamente alguns dias depois, e a mulher ficou coberta de sangue no momento em que a polícia local a prendeu.

Bibi foi condenada à morte pelo crime de blasfêmia contra o Islã em 2010. Seus advogados continuaram apelando da condenação, batalhando nos tribunais durante anos. O caso chamou a atenção de organizações de direitos humanos em todo o mundo.

Em 2011, o governador do Punjab, Salman Taseer, foi assassinado por seu guarda-costas depois que ele tentou pedir clemência para Bibi, que morava na província de Punjab. O guarda-costas do governador, por sua vez, foi considerado culpado de assassinato e executado em 2016.

Um novo partido político se formou em apoio ao assassino do governador, defendendo-o como um fiel aderente à lei da Sharia. Esse partido pró-Sharia, o Tehreek-e-Labbaik Pakistan (TLP), estava ligado aos protestos islâmicos este ano, opondo-se à absolvição de Bibi pela Suprema Corte.

Em uma coletiva de imprensa em Lahore, Paquistão, em 8 de novembro, os líderes do TLP pediram a execução pública de Asia Bibi. Uma faixa atrás deles durante a conferência declarou: "Blasfêmia é terrorismo. Servir justiça. Pendure Asia Bibi."

Alguns manifestantes mantiveram cartazes pedindo o enforcamento de Bibi. Ela e seus entes queridos estão escondidos, temendo por suas vidas.

https://youtu.be/-fOWSLV6Esw, https://youtu.be/b4yt5id-dzQ,
https://www.bitchute.com/video/wwq6iiUIKPfK/

Houve relatos em novembro de que Asia Bibi havia fugido do país. Mas um porta-voz do governo paquistanês desacreditou essas alegações como "notícias falsas", esclarecendo que Bibi estava em uma casa segura do governo com seu marido, Ashiq Masih.

No Paquistão, as pessoas acusadas de blasfemar o Islã muitas vezes são vítimas de execuções extrajudiciais por fundamentalistas islâmicos.

As autoridades paquistanesas iniciaram uma aparente repressão aos manifestantes islâmicos no final de novembro. Centenas de manifestantes e líderes da TLP foram presos devido a preocupações de que os protestos estivessem atrapalhando a vida pública no Paquistão.

Antes disso, houve inúmeras detenções durante o mês de novembro em resposta à violência e ao vandalismo  durante os protestos - incluindo confrontos com a polícia.

Manifestações pela execução de Asia Bibi (foto de novembro deste ano)




4 comentários:

Rafael Gomes disse...

Além da atitude do papa, o que me deixa impressionado é o silêncio da grande mídia diante desse fato e do radicalismo islâmico de um modo geral.

Célia disse...

Muito triste duas faces em uma mesma pessoa . O Vaticano sempre se mostrou tal qual é foi se o tempo de um papa maravilhoso como João XXIII !!! um santinho

MJ disse...

Não se preocupe Deus vai revelar quem são os dele é que não são dele

Anônimo disse...

Sou catolico romano, mas vejo como a maior propaganda e a maior estimulador a conversão ao islamismo, as leis feministas ocidentais que colocaram o homem no patamar de um animal. Basta a palavra de uma mulher para condenar um homem. Preso muitas vezes injustamente, por acusação falsa, é submetido a toda especie de barbaridade nas cadeias. Vejam o caso do cidadão que foi acusado injustamente foi preso estuprado e cego na cadeia. E ainda por cima a imprensa e um pastor num programa incentivando a violencia contra o individuo. Solto depois julgado inocente apos ter sofrido de injustificadas torturas, fica tudo por isso mesmo. Os homens ao verem esse nivel de injustiça a que todos estão sujeitos, mais dia menos dia haverá um pregador islamico, mostrando essas injustiças, vai angariar milhões para seu rebanho. Resumo ou o mundo ocidental e cristão pratiquem a justiça ou o islã ira dominar o mundo.