domingo, 24 de fevereiro de 2019

Islã: o inimigo mais formidável e persistente do Ocidente

Artigo de Raymond Ibrahim (de 13/02/2019), também publicado no The American Thinker.

No auge do domínio ocidental sobre o Islã no início do século XX, o historiador europeu Hilaire Belloc fez uma observação notavelmente presciente que pode ter parecido exagerada na época:
Milhões de pessoas modernas da civilização branca - isto é, a civilização da Europa e da América - esqueceram tudo sobre o Islã. Eles nunca entraram em contato com ela. Eles tomam por certo que está decaindo, e que, de qualquer forma, é apenas uma religião estrangeira que não lhes diz respeito. É, de fato, o inimigo mais formidável e persistente que nossa civilização teve, e pode a qualquer momento tornar-se uma ameaça tão grande no futuro quanto no passado (de The Great Heresies , 1938, Belloc, ênfase adicionada).
Hilaire Belloc, 1870-1953

Qualquer um que duvide que o Islã tem sido "o inimigo mais formidável e persistente que nossa civilização teve" deve se familiarizar com o longo registro ofensivo do Islã em relação ao Ocidente. Um resumo sucinto segue:

Segundo a história islâmica, em 628, o fundador da Arábia do Islã, Muhammad, pediu ao imperador bizantino, Heráclio - o chefe simbólico da cristandade - para se retratar do cristianismo e abraçar o Islã. O imperador recusou, a jihad foi declarada e os árabes invadiram a Síria cristã, derrotando o exército imperial na decisiva batalha de Yarmuk em 636 (ver minha tese de mestrado sobre essa batalha, que um proeminente historiador descreveu como "o mais importante" estudo sobre ela).

Essa vitória permitiu que os muçulmanos se expandissem em todas as direções, de modo que, menos de um século depois, eles haviam conquistado a maior, mais antiga e mais rica porção da cristandade, incluindo a Síria, o Egito e o norte da África.

O ataque islâmico contra a Europa pelo leste foi repetidamente frustrado pelos Muros de Constantinopla; depois do cerco espetacularmente fracassado de 717-718, muitos séculos passariam antes que qualquer potência muçulmana pensasse em capturar a cidade imperial. Os árabes conseguiram invadir a Europa propriamente através e conquistaram a Espanha, mas foram parados na Batalha de Tours em 732 e, eventualmente, expulsos para o sul dos Pirineus.

Por mais de dois séculos, a Europa continuou a ser atingida pela terra e pelo mar - incontáveis ​​milhares de cristãos foram escravizados e todas as ilhas mediterrâneas saqueadas - na busca muçulmana contínua por espólio e escravos, fazendo com que uma “Idade das Trevas” (conforme chamado por historiadores) descesse sobre o continente europeu.

As vicissitudes da guerra diminuíram e fluíram - o Império Romano do Oriente ("Bizâncio") fez um grande contra-ataque contra o Islã no século X - embora a fronteira permanecesse em grande parte a mesma. Isso mudou quando os turcos, sob a liderança da tribo seljúcida, se tornaram os novos porta-estandartes da jihad. Eles quase aniquilaram a Anatólia Oriental, particularmente a Armênia e a Geórgia no século XI e, após a Batalha de Manzikert, 1071, invadiram a Ásia Menor.

Agora, entretanto, o poderio militar da Europa Ocidental amadurecera tanto que, quando o papa convocou os cavaleiros da cristandade a irem em auxílio do Oriente cristão, nasceu a Primeira Cruzada. Os cristãos ocidentais, liderados pelos francos, marcharam no covil da besta, derrotaram seus adversários em vários encontros e conseguiram estabelecer uma presença firme no Levante, inclusive em Jerusalém, que eles recapturaram em 1099 - apenas para perdê-la menos de cem anos. depois, em 1187, depois da fatídica Batalha de Hatin. Em 1297, a presença dos cruzados foi eliminada do Oriente Médio.

Mas se fracassou no Oriente, a Cruzada teve sucesso no Ocidente. Poucos anos após a invasão muçulmana e a conquista da Espanha por volta de 711, os cristãos fugitivos enfurnados nas montanhas setentrionais de Astúrias iniciaram a Reconquista; por volta de 1085, a Reconquista já tinha provado ser suficientemente eficaz o que necessitou duas novas invasões muçulmanas da África para combatê-la. Mais uma vez, o fluxo e refluxo da guerra dominaram a paisagem, mas em 1212, em Las Navas de Tolosa, os cristãos indígenas da Espanha deram ao islamismo seu golpe de morte, de modo que em 1252 foi confinado a Granada no extremo sul da Península Ibérica.

Na mesma época, a violenta tempestade mongólica, mas de curta duração, dominou grande parte do leste; ambos os cristãos (principalmente os russos) e muçulmanos foram agredidos. Uma nova dinastia turca surgiu das cinzas seljúcidas: os otomanos - cuja identidade girava em torno do conceito de jihad mais do que qualquer um de seus antecessores - renovaram a guerra perene do Islã contra a cristandade. Eles conseguiram entrar na Europa Oriental, derrotaram um exército combinado de cruzados em Nicópolis em 1396, tomaram grande parte dos Bálcãs e coroaram sua conquista cumprindo o desejo de Maomé de conquistar Constantinopla, em 1453 - e escravizar e estuprar milhares de seus habitantes de maneiras que o Estado Islâmico tenta imitar.

Mas o luto logo foi temperado pela alegria: no oeste, a Espanha finalmente conquistou Granada em 1492, extinguindo o Islã como uma potência política; a leste, o capítulo mais negligenciado do conflito entre muçulmanos e cristãos também estava chegando ao fim. Os russos, que haviam vivido sob o domínio distintamente islâmico por quase dois séculos, finalmente se livraram do “jugo tártaro” em 1480.

Mesmo assim, os otomanos continuaram a ser o flagelo da cristandade; eles continuaram fazendo incursões na Europa - alcançando, mas não conseguindo, capturar Viena em 1529 - e patrocinaram a jihad marítima originária do norte da África. Enquanto os muçulmanos não conseguiram capturar novas terras européias, piratas bárbaros e escravistas da Criméia capturaram e venderam aproximadamente cinco milhões de europeus à escravidão.

Em 1683, mais de 200.000 jihadistas otomanos tentaram tomar Viena novamente . Mesmo Mesmo que seu fracasso tenha marcado o lento declínio do Império Otomano, os traficantes de escravos muçulmanos dos chamados Estados da Barbária do Norte da África continuaram a causar estragos ao longo das costas da Europa - chegando até mesmo à Islândia.

A primeira guerra dos Estados Unidos da América - lutada antes mesmo de poder eleger seu primeiro presidente - foi contra esses escravagistas islâmicos. Quando Thomas Jefferson e John Adams perguntaram ao embaixador da Barbária por que seus compatriotas estavam escravizando marinheiros americanos, o “embaixador nos respondeu que isso tinha fundamento nas leis de seu Profeta, que estava escrito em seu Alcorão, que ... era seu direito e dever fazer guerra contra eles [não-muçulmanos] onde quer que eles pudessem ser encontrados, e fazer escravos de todos os que eles pudessem tomar como prisioneiros.”

O último triunfo da Europa sobre os Estados Barbáricos no início de 1800 inaugurou a era colonial. Em 1900, a maior parte do mundo muçulmano estava sob controle europeu; em 1924, o califado otomano, com mais de 600 anos, foi abolido - não por europeus, mas por muçulmanos turcos, já que estes tentavam imitar os modos de sucesso dos europeus. O Islã era visto como uma força gasta e virtualmente esquecida, até tempos recentes, quando ressurgiu novamente.

Essa tem sido a história verdadeira e mais "geral" entre os mundos islâmico e ocidental.

Link para o mapa (imagem) em boa resolução

O mapa acima (© Sword e Scimitar) deve dar uma idéia de quão abrangente e multi-tentaculosa tem sido a jihad eterna. O sombreado verde mais escuro representa nações ocidentais / cristãs que foram permanentemente conquistadas pelo Islã; o sombreamento verde mais claro representa aquelas nações Ocidentais / Cristãs que foram temporariamente conquistadas pelo Islã (às vezes por muitos séculos, como a Espanha, a Rússia e os Bálcãs); listras verdes representam áreas que foram invadidas, muitas vezes repetidamente, embora não necessariamente anexadas pelo Islã; as espadas cruzadas marcam os locais das oito batalhas mais marcantes entre o Islã e o Ocidente.

De uma perspectiva macrocósmica, as conseqüências da jihad histórica são ainda mais profundas do que possa parecer. Depois de escrever: “Por quase mil anos, desde a primeira incursão mouro na Espanha [711] até o segundo cerco turco de Viena [1683], a Europa permaneceu sob a constante ameaça do Islã”, explica Bernard Lewis:
Todas as províncias do reino islâmico, exceto as mais orientais, haviam sido tomadas dos governantes cristãos ... Norte da África, Egito, Síria, até mesmo o Iraque governado pelos persas, eram países cristãos, nos quais o cristianismo era mais antigo e mais enraizado do que na maior parte da Europa. Sua perda foi sentida e aumentou o medo de que um destino semelhante estivesse reservado para a Europa.
A "perda" do norte da África e do Oriente Médio "foi sentida com muito afinco" pelos europeus pré-modernos porque eles pensavam mais em linhas religiosas e civilizacionais do que nas nacionalistas. E antes que o Islã entrasse em cena, a maior parte da Europa, o norte da África e o Oriente Médio faziam parte do mesmo bloco religioso-civilizacional. Como tal, o Islã não apenas invadiu e acabou sendo repelido da Europa; em vez disso, “os exércitos muçulmanos conquistaram três quartos [ou 75%] do mundo cristão”, para citar o historiador Thomas Madden.

Assim, o que hoje é chamado de “Ocidente” é, na verdade, o remanescente mais ocidental do que foi um bloco civilizacional muito mais extenso que o islamismo separou permanentemente, alterando assim o curso da história “Ocidental”. E, uma vez que os muçulmanos invadiram a África e o Oriente Médio, a maioria de seus súditos cristãos, para evitar a opressão fiscal e social, e se uniram à equipe vencedora, se converteram ao Islã, perpetuando o ciclo, ao se tornarem os novos porta-bandeiras da jihad contra seus antigos correligionários cristãos no norte e oeste do Mediterrâneo.

Tais são as pouco mencionadas ironias da história.

Voltando a Hilaire Belloc, pode-se também ver como uma compreensão precisa da história verdadeira - em oposição a uma doutrinação nas pseudo-histórias convencionais - leva a um prognóstico preciso do futuro. Belloc não só estava correto sobre o passado, mas também sobre o futuro:
Ele [o Islã] é, de fato, o inimigo mais formidável e persistente que nossa civilização teve, e pode, a qualquer momento, se tornar uma ameaça tão grande no futuro como foi no passado …. Toda a força espiritual do Islã ainda está presente nas massas da Síria e da Anatólia, das montanhas do leste asiático, Arábia, Egito e norte da África. O fruto final dessa tenacidade, o segundo período do poder islâmico, pode ser adiado - mas duvido que possa ser permanentemente adiado (ênfase adicionada).
Nota : A parte histórica deste artigo segue as linhas do meu livro mais recente, Espada e Cimitarra, que, em 352 páginas copiosamente documentas - incluindo de fontes primárias pouco conhecidas ou anteriormente não traduzidas - a longa e sangrenta história entre o Islã e o Ocidente, no contexto das oito batalhas mais marcantes.


8 comentários:

Vilson Schreiner disse...

Pô, José Atento fui olhar teu perfile em vez de Sexo consta Gênero? (Isso é o Politicamente Correto e da Agenda LGBT) que decepção. Quem tem gênero é a literatura e a gramática!

José Atento disse...

Hahahaha! Google.

shamijacobus disse...

anti-americano(?)de esquerda,contra domínio do islã,a favor de "direitos-humanos" mas se esquece que para ALGUÉN TER UM DIREITO,OUTRO tem de fornecer ou pagar por isto.
abraços

Alexandre Sousa disse...

Claro que gênero faz parte da literatura e gramatica. Muita gente não sabe o que é gênero, apesar dessa palavra definir varias coisas iguais entre si.

Brasil Corre perigo comunismo disse...

Ele dele estar em cima do muro, não sabe se cai para a direita ou para esquerda.kkkk

Unknown disse...

José você poderia ajudar a cerca do Site amigo de Israel eu não estou conseguindo acessar o site pode me ajudar?

Unknown disse...

Oi José eu sigo o blogue português amigo de Israel mais não consigo entrar nele você pode me ajudar?

Vilson Schreiner disse...

Sobre a tua Postagem "Cadê o auê da mídia? -- Muçulmanos protestam contra a doutrinação LGBTQ nas escolas primárias inglesas -- silêncio da imprensa -- silêncio das lideranças de esquerda -- silêncio das lideranças LGBTQ":
Tentei postar um comentário e fui impedido pelo Facebook era a seguinte
A esquerda Mundial e o NOM, são completamente loucos delirantes apoiam que os islâmicos apliquem a Sharia na Europa e querem obrigar eles a aceitarem a Ideologia de Gênero. Fui bloqueado no Face por compartilhar esse artigo:

Padrões de “educação sexual” da ONU forçam agenda LGBT em crianças de 5 anos de idade
http://tradutoresdedireita.org/padroes-de-educacao-sexual-da-onu-forcam-agenda-lgbt-em-criancas-de-5-anos-de-idade/